Temas interdisciplinares

  • De Par em Par na U.Porto

    Ana Mouraz

    João Pedro Pêgo

    U.Porto Edições,2017

    Este livro é um registo plural do que tem sido o projeto De Par em Par na U.Porto, desde a sua criação, em 2009. É um registo plural porque nele se reúne a voz e o testemunho de quem sonhou, apadrinhou, experimentou, analisou, criticou, melhorou...a ideia de por os professores da universidade a entrar (aos pares) pelas portas, finalmente abertas (de par e par), nas salas de aula de outros professores (seus pares), mas de outras áreas de saber, que assim se encontram, a par.

  • Complexidade

    – Conversas Interdisciplinares - (Des)Hemisférios

    Maria de Fátima Marinho (coord. geral e curadoria)

    Maria Clara Paulino (coord. geral e curadoria)

    U.Porto Edições,2015

    Nos contextos de complexidade crescente que se fazem sentir quer em cada área de conhecimento, quer nas relações que estas estabelecem entre si, quer nas questões que se nos colocam a nível global, como poderia uma mudança de paradigma — da abordagem disciplinar para a integração interdisciplinar — assistir nos processos cognitivos e, em última análise, na produção de um entendimento mais profundo dessas questões? Mais especificamente, como se posicionam as diferentes áreas curriculares da academia relativamente à metodologia interdisciplinar? Que vantagens e obstáculos identificam na interdisciplinaridade, tendo em conta que esta se distingue da multidisciplinaridade e da transdisciplinaridade pelo seu caráter de síntese? O objetivo é abrir a universidade a um debate sobre a interdisciplinaridade como paradigma cognitivo e de produção de conhecimento. Os participantes são convidados a conversar sobre o que é a abordagem interdisciplinar, sobre a possibilidade de ela ser um modelo importante em várias áreas de investigação, e sobre a forma como ela já é, ou poderá ser, implementada na universidade portuguesa.

    O programa é complementado por representações visuais e sonoras do tema “Complexidade”, incluindo a exposição (Des)hemisférios, com coordenação artística de Fernando José Pereira.

    Nos contextos de complexidade crescente que se fazem sentir quer em cada área de conhecimento, quer nas relações que estas estabelecem entre si, quer nas questões que se nos colocam a nível global, como poderia uma mudança de paradigma — da abordagem disciplinar para a integração interdisciplinar — assistir nos processos cognitivos e, em última análise, na produção de um entendimento mais profundo dessas questões? Mais especificamente, como se posicionam as diferentes áreas curriculares da academia relativamente à metodologia interdisciplinar? Que vantagens e obstáculos identificam na interdisciplinaridade, tendo em conta que esta se distingue da multidisciplinaridade e da transdisciplinaridade pelo seu caráter de síntese? O objetivo é abrir a universidade a um debate sobre a interdisciplinaridade como paradigma cognitivo e de produção de conhecimento. Os participantes são convidados a conversar sobre o que é a abordagem interdisciplinar, sobre a possibilidade de ela ser um modelo importante em várias áreas de investigação, e sobre a forma como ela já é, ou poderá ser, implementada na universidade portuguesa.

    O programa é complementado por representações visuais e sonoras do tema “Complexidade”, incluindo a exposição (Des)hemisférios, com coordenação artística de Fernando José Pereira.